gastronomiaverde.com.br

    LOADING
    O Estado de São PauloO GloboCanal FuturaTV BrasilSuper InteressanteNational Geographic

Bate papo com Vitor Sobral, um chef entre Portugal e o Brasil

Conhecido por modernizar pratos tradicionais, o Chef Vitor Sobral é referência na Gastronomia Portuguesa. Nascido em Portugal, Vitor já teve participação em eventos e congressos em diversos países como Espanha, Bélgica, Canadá, Itália, Alemanha, Macau, França, Suíça e Guiné.
Chef do Restaurante Tasca da Esquina em Lisboa, quando está no Brasil Vitor também lidera a filial em São Paulo, inaugurada em julho do ano passado. Acompanhe mais detalhes na entrevista concedida pelo chefe.

Há quanto tempo você atua como chefe de cozinha?

Desde muito jovem foi minha primeira e única profissão.

Você sempre teve vocação para cozinhar, ou foi aprendendo?

Comecei a cozinhar em casa, quando criança, ajudando minha mãe e minha avó. No Alentejo a cozinha é muito rica em produtos e sabores, podemos considerar que é uma cozinha do campo, onde antes do ato de cozinhar se aprende a plantar, cultivar, alimentar os animais, esperar o ciclo do alimento para a colheita e o abate e então cozinhar. É uma cozinha artesanal na essência e essas foram as minhas primeiras experiências com a Gastronomia.

Como foi o início da sua profissão? Qual cargo você exercia, quais eram suas atividades?


Foi como deve ser. Lavei pratos, retirei os lixos, limpei chão, observei, viajei, trabalhei em restaurantes de Paris, aprendi a técnica francesa e fui galgando a minha profissão.

Qual é a parte mais apaixonante e envolvente do seu trabalho?

Perceber as pessoas comerem o que preparo com alegria e apreciação.

Qual a parte mais desgastante?


A cozinha é desgastante porque é uma atividade pesada, mas é prazerosa quando se tem o dom, a técnica, a perseverança.

Como funciona a criação de um novo prato, ou um novo cardápio? Há algum tipo de inspiração baseada em outras experiências?

Quando se ama o que se faz o dia-a-dia é uma nova inspiração, os trabalhos, as viagens, os novos sabores, e também o convívio com distintas etnias, culturas, pessoas, tudo me inspira.
Estou sempre criando, parece ser infindável.

Houve algum momento que deixou uma lembrança especial, algo mais marcante?

Muitos, mas quero ressaltar dois: a abertura da Tasca da Esquina de Lisboa e da filial tasca da Esquina de São Paulo.

Você fez, ou está fazendo, outros cursos para se aperfeiçoar em áreas mais específicas?


Todo dia aprendo, todo dia me aperfeiçôo, hoje o trabalho diário em meus restaurantes e as viagens para consultorias gastronômicas são os cursos que eu faço.

O que você se imagina fazendo nos próximos anos, em relação à profissão?


Cozinhar, observar, influenciar novas gerações de chefs a respeitar a Terra, o alimento, a cozinha!